Neste Novembro Azul, BOS alerta sobre os perigos do diabetes para a visão

  • Entre as doenças oculares mais comuns causadas pelo diabetes estão a catarata e a retinopatia que, na sua forma mais grave, pode causar danos irreversíveis à visão

 

Foi em 2007 que a Organização das Nações Unidas (ONU) oficializou o 14 de novembro como o Dia Mundial do Diabetes. Desde então, o mundo inteiro ganha tons de azul no mês de novembro, azuis que, no Brasil, são divididos com o Novembro Azul de conscientização do Câncer de Próstata.

Atualmente estima-se que há cerca de 463 milhões de pessoas diabéticas em todo o mundo e que em 2045 esse número deve subir para 700 milhões, sendo cerca de 16 milhões só no Brasil  (dados da 9ª edição do Atlas de Diabetes e do IDF – International Diabetes Federation).

O Chefe do Departamento de Retina do Hospital Oftalmológico de Sorocaba (BOS), Dr. Arnaldo Furman Bordon, explica que o diabetes é uma doença que afeta todos os órgãos do corpo humano, em especial os olhos, rins e sistema nervoso. Nos olhos, o diabetes causa, entre outros, alteração da movimentação ocular, catarata e a retinopatia diabética. Desses três, os dois primeiros são reversíveis, mesmo em fases avançadas, porém, a retinopatia, na sua forma mais grave, causa danos irreversíveis à visão.

“A retinopatia diabética demora cerca de dez a doze anos para se manifestar. Então, o perfil clássico de um paciente com a doença ocular é possuir diabetes há pelo menos 10 anos (sabendo ou não da existência da doença), fazer mal controle glicêmico na maior parte do tempo e nunca ter sido examinado com pupila dilatada por um médico oftalmologista. É frequente, ainda, que tenham hipertensão arterial, obesidade e dislipidemia (alteração da gordura sanguínea). Em geral, essas pessoas também já possuem alterações renais e não é infrequente já terem algum membro amputado (dedo do pé, o pé ou a própria perna). É um cenário desolador, pois mostra total descontrole do diabetes”, esclarece Dr. Arnaldo.

O médico conta, ainda, que a visão de um diabético é um ponto crucial, pois no início da retinopatia não há nenhum sintoma e a pessoa enxerga muito bem, com ou sem auxílio de óculos. “Essa é a melhor fase para se ter o diagnóstico da retinopatia (nas fases iniciais), onde o controle adequado da glicemia e tratamento oftalmológico com laser ou injeções de medicamentos específicos conseguem segurar o avanço para as formas mais graves da retinopatia na maior parte dos casos”, afirma o médico.

Para os pacientes que não fazem o diagnóstico precoce da retinopatia e procuram ajuda médica nas fases avançadas, existe baixa de visão, podendo ter perda total da visão de forma definitiva nos dois olhos, sendo esta doença a principal causa de cegueira irreversível em pessoas entre 20 e 60 anos de idade. “Trata-se de um caso de saúde pública, pois como o aumento exponencial do número de diabéticos no mundo (e o Brasil não é diferente), o número de pessoas com a retinopatia sobe em igual proporção”, alerta Dr. Arnaldo. Ele acrescenta que o embaçamento visual, a distorção de imagem e as manchas na visão são queixas comuns. No entanto, esses sintomas são comuns também a inúmeras outras doenças dos olhos.

Por isso é tão importante fazer um acompanhamento periódico com o oftalmologista para a detecção destas e de outras doenças. Atualmente, dos casos cirúrgicos atendidos pelo Hospital Oftalmológico de Sorocaba (BOS), cerca de 60% são referentes a pacientes com retinopatia diabética avançada. E, segundo o médico especialista, esse número vem aumentando a cada ano. 

“Essa é a grande luta travada. O paciente diabético precisa se conscientizar que diabetes é a principal origem de morte de causa cardiovascular (leia-se infarto), a principal causa de cegueira e uma das principais causas de internação hospitalar. O mais triste disso é que muito disso poderia ser evitado com exames oftalmológicos regulares, controle constante da glicemia, redução da obesidade e mudança de hábitos de vida”, orienta o médico especialista.

O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emília. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000.

Corioretinopatia Serosa Central afeta mais homens entre 20 e 50 anos

  • Estresse é um dos fatores que pode desencadear a Corioretinopatia Serosa Central, doença que afeta a visão e pode levar à cegueira

No Brasil, as consequências econômicas após quase dois anos de isolamento social, como a recuperação lenta do comércio e serviço, o desemprego ainda alto e a renda menor, o aumento recorrente do preço do combustível e as incertezas políticas formam um panorama de crescimento em ritmo “morno” da economia. Esse cenário de instabilidade econômica e política é palco ideal para o agravamento de crises de ansiedade e estresse, este último um dos fatores que contribui com o desencadeamento da Corioretinopatia Serosa Central, uma doença que afeta a área central da visão, formando uma espécie de bolha e que acomete a mácula, região importante da retina responsável pela visão de detalhes e cores. 

“Aqui no Hospital Oftalmológico de Sorocaba, notamos um aumento de casos dessa doença exatamente durante esse período da pandemia. Na sua forma aguda, que é a mais comum, ocorre com mais frequência em homens entre 20 e 50 anos, embora a gente tenha percebido um aumento no número de mulheres acometidas também”, esclarece o Chefe do Departamento de Retina do Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS), Dr. Arnaldo F. Bordon. 

De acordo com o médico, a relação do estresse com a doença provavelmente está no cortisol endógeno, que é o corticoide produzido pelo corpo. “Todos pacientes atendidos com a forma aguda da doença durante a pandemia tinham o estresse como pano de fundo. Porém, deve-se ressaltar que passar por um episódio ou período de estresse não é suficiente para desencadear a Serosa Central”, afirma Dr. Arnaldo.

Os principais sintomas da doença são alteração da tonalidade das cores em relação ao outro olho, diminuição e/ou distorção do tamanho da imagem e diminuição da visão.  No entanto, Dr. Arnaldo alerta sobre esses sintomas serem comuns a muitas outras doenças oculares, ou seja, somente o médico oftalmologista consegue estabelecer o correto diagnóstico.  

O maior risco da Serosa Central é ela se tornar crônica, o que pode causar perda irreparável da visão. “O paciente que tem esses sintomas deve consultar seu médico oftalmologista, pois muitas vezes já pode ter tido outras crises de forma subclínica (sem sintomas) e essas pessoas com mais crises são mais propensas a desenvolver a forma crônica, que é mais grave”, esclarece o especialista.

Seja para os casos de Serosa Central aguda ou crônica, o BOS possui um corpo clínico de excelência que está apto a diagnosticar essa e outras doenças. O auxílio de equipamentos ultramodernos, como o OCT de última geração e aparelhos de laser  permitem o diagnóstico e tratamento dessa condição, oferecendo o que há de melhor visando sempre a qualidade de vida do paciente.

O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emília. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000.

Cerca de 20% da população mundial sofre com zumbido no ouvido

Novembro Laranja é mês de prevenção ao zumbido no ouvido, à misofinia e à hiperacusia; médicos especialistas do BOS alertam para os sintomas e as consequências deste distúrbio

 

Assim como Setembro já está associado à cor Amarela, em prevenção ao suicídio, e Outubro consagrado com o Rosa da prevenção do câncer de mama, Novembro já se consolidou como o mês Azul da luta contra o câncer de próstata e contra o diabetes. 

Mas Azul não é a única cor que representa este mês. O calendário oficial de lutas e cores prevê, ainda, duas cores diferentes para chamar atenção de dois problemas de saúde igualmente importantíssimos: Dourado, para chamar atenção para o diagnóstico precoce do câncer Infanto-juvenil e Laranja, sobre a Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido, que é o som contínuo percebido nos ouvidos ou na cabeça sem um estímulo sonoro externo.

De acordo com o Chefe do Departamento de Otorrinolaringologia do Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS, do Banco de Olhos de Sorocaba, BOS), Dr. Fábio Lorenzetti, o zumbido é um sintoma multifatorial, ou seja, há múltiplos fatores envolvidos para que este som seja percebido e incomode uma pessoa. Mas a principal causa é a perda de audição. 

O Novembro Laranja é a Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido e Hipersensibilidades Auditivas, sendo esta última, correspondente a Misofonia e Hiperacusia (ver quadro). A campanha foi criada em 2006 pela médica otorrinolaringologista, Dra. Tanit Ganz Sanchez, com o objetivo de expandir o movimento de conscientização, conhecimento e acolhimento dos pacientes com zumbido, misofonia e hiperacusia, sintomas que impactam a qualidade de vida de milhões de brasileiros. 

Segundo a OMS, 280 milhões de pessoas lidam com o zumbido, o que corresponde a aproximadamente 20% da população mundial. “O zumbido é um sintoma cada vez mais prevalente na população e, em algumas pessoas, pode incomodar para dormir, para concentrar-se e até para trabalhar, impactando muito na qualidade de vida. Atualmente, há uma rede de profissionais de várias áreas (médicos otorrinolaringologistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, dentistas e psicólogos) em todo o Brasil preparados para tratar este sintoma”, alerta a médica responsável pelo ambulatório de otoneurologia do BOS, Dra. Daniela Vieira Martins. 

A campanha visa a conscientização desses três sintomas, que podem aparecer sozinhos ou em grupo. “São sintomas ainda são pouco conhecidos pelos profissionais de saúde, população e órgãos governamentais, que podem ser amenizados pelos mesmos tratamentos e que incomodam milhões de pessoas que sofrem com a falta de informação, diagnóstico e tratamento adequados”, afirma Dra. Daniela.

Ela explica que o tempo de duração do zumbido é algo extremamente variável, podendo durar segundos, minutos, horas, dias e até muitos anos, assim como pode ser intermitente, ou seja, vai e volta, com fases de melhora ou piora, dependendo da movimentação do pescoço, do aperto dos dentes, da qualidade do sono, do status do humor e até mesmo do ruído. “Há pessoas que percebem mais o zumbido no silêncio e não o percebem quando estão expostas a sons ambientais; há pessoas que percebem uma piora do zumbido quando expostas ao ruído, outras, podem queixar-se que o zumbido é persistente e sem fatores de melhora, durando 24 horas por dia, fato que pode gerar muito incômodo, angústia e piora da qualidade de vida”, esclarece a médica. 

Como o zumbido é um sintoma que envolve múltiplos fatores (audição, áreas do cérebro responsáveis pelas emoções, metabolismo e até mesmo vias musculares), este paciente, inicialmente, deve consultar-se com o otorrinolaringologista para diagnóstico, acolhimento e planejamento do tratamento, o qual, na grande maioria das vezes, envolve uma equipe multidisciplinar com fonoaudiólogos, dentistas, fisioterapeutas, psicólogos e até mesmo outras especialidades médicas. 

O BOS possui uma equipe de médicos otorrinolaringologitas capacitados e atualizados para receber, acolher e planejar o tratamento dos pacientes com zumbido, além de contar com uma equipe de fonoaudiólogos também capacitados para manejo das perdas auditivas e do zumbido. Além disso, a instituição está preparada para realizar exames complementares para avaliação auditiva. 

“Como a perda de audição é a principal causa de zumbido e a população da terceira idade é a mais acometida por esse distúrbio. Porém, é um sintoma que pode estar presente em qualquer faixa etária e gênero”, alerta Dr. Fábio Lorenzetti.

Por isso, a melhor forma de prevenção é o cuidado com a saúde auditiva, já que a perda de audição está muito ligada ao aparecimento de zumbido no ouvido. “Deve-se evitar a exposição a níveis de sons prejudiciais à saúde auditiva: quanto mais alto for o ruído do som, menor deve ser a exposição a este barulho”, orienta o médico. 

QUADRO

 

O que são a Misofinia e a Hiperacusia?

A Misofinia significa intolerância a sons baixos e repetitivos como mastigação, respiração, pigarro, clique de caneta, latidos de cachorro. Prevalente em aproximadamente 14% a 22% da população mundial. 

A Hiperacusia corresponde à intolerância a sons mais altos como conversas, músicas, trânsito, eletrodomésticos ligados e barulho de restaurantes. Prevalente em 8% a 17% da população mundial.  

O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emília. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000.

Jovens atendidos pelo Centro de Reabilitação Vida Nova (CRV) do BOS participam das Paralimpíadas Escolares Brasileiras 2021

Isabelly Cabral,16 anos, de Boituva, irá competir na modalidade atletismo e Luís Felipe da Silva Cavalcanti, 15 anos, de São Roque, participará pelo futebol

Em agosto deste ano, o mundo todo se encantou e se emocionou com as Paralimpíadas de Tokyo 2020. Agora, é a vez de torcer pelos nossos jovens atletas nacionais durante as Paralimpíadas Escolares 2021, que acontecerão de 23 à 26 de novembro, em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro e que deve reunir aproximadamente mil alunos em idade escolar da maioria dos estados brasileiros.

Representando a seleção paulista, dois assistidos do Centro de Reabilitação Vida Nova (CRV) do Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) foram convocados depois de se destacarem nos Jogos Escolares Paralímpico do Estado de São Paulo (JEESP), realizados no mês de setembro deste ano. 

Isabelly Fernanda de Melo Cabral, 16 anos, de Boituva, tem deficiência visual categoria T13 (baixa visão) e foi convocada na modalidade atletismo após vencer as provas dos 75m, arremesso de peso e lançamento de dardo. Esta é sua terceira convocação na Seleção Paulista. Já Luís Felipe Cavalcanti, 17 anos, morador de São Roque, tem deficiência visual categoria B1 (cegueira total) e foi convocado pela primeira vez na modalidade de futebol de cinco (futebol de cegos). 

A primeira edição das Paralimpíadas Escolares aconteceu em 2009, sendo que em 2020 o evento foi suspenso por conta da pandemia COVID-19. Trata-se do maior evento mundial para crianças com deficiência em idade escolar. Talentos do paradesporto brasileiro já passaram pelos Escolares, como os velocistas Alan Fonteles, ouro em Londres 2012, Verônica Hipólito, prata no Rio 2016 e Petrúcio Ferreira, recordista mundial nos 100m (classe T47), além dos destaques de Tokyo 2020, como Thomaz Moraes, medalha de prata no atletismo, os nadadores Talisson Glock e Gabriel Geraldo, medalha de ouro, e o jogador de goalball, Leomon Moreno, medalha de ouro também, entre muitos outros que brilharam nesta última edição dos jogos. 

Veterana nos campeonatos

Isabelly estava no 3º ano do Ensino Fundamental, anos iniciais, quando descobriu que tinha baixa visão. Ela conta que tinha muita dificuldade para enxergar as anotações dos professores na lousa, que sempre precisava se aproximar para poder copiar as matérias e que, ao longo do tempo, foi perdendo um pouco mais de visão.

Filha de pai atleta, o primeiro esporte com o qual ela teve contato foi o atletismo, em 2017. Logo depois, ela se encantou com a natação. Atualmente, sua rotina inclui os

estudos, treinos esportivos (atletismo e natação) e o atendimento no CRV, quinzenalmente, onde passa por acompanhamento psicológico. “Esse atendimento colabora com vários fatores em minha vida e é tão importante quanto o esporte, que é a minha forma de trabalho e de lazer também”, conta a atleta. 

Isabelly já participou de várias competições como JEESP, Paralimpíadas Escolares, Regionais, Abertos, Circuito Caixa, entre outros. “Acho que Paralimpíadas ainda é um sonho, uma grande expectativa. Na verdade, posso dizer que é uma meta pessoal. Admiro muito os atletas que vão para as Paralimpíadas, é um grande privilégio poder participar também. Estou otimista quanto ao meu desempenho e espero trazer a medalha para casa!”, conta a atleta.

 

Debutante nas Paralimpíadas

Aos 15 anos, Luís Felipe da Silva Cavalcanti teve contato com o esporte pela primeira vez há alguns meses através do projeto Superação de um professor de esportes, em Mairinque. Desde então, o esporte se tornou parte fundamental da sua vida e, depois de participar dos Jogos Escolares Paralímpico do Estado de São Paulo (JEESP) deste ano, Luís Felipe irá competir, pela primeira vez, nas Paralimpíadas Escolares.    

 

Mãe de Luís Felipe, Veronice da Silva Cavalcanti conta que os problemas na visão de Luís Felipe começaram cedo, aos 3 meses de idade, quando ela percebeu que a íris dele sumia, ficava só a parte branca e que quando o olho voltava normal, ele não tinha o controle, ficava tremendo. “Falei com a pediatra, que o encaminhou ao oftalmologista. Fizemos vários exames, mas nada foi descoberto. Quando o Luís Felipe estava com 1 ano e 6 meses, teve conjuntivite nos dois olhos. Dias depois, notei algo branco no olho direito. Fizemos novos exames e descobrimos que ele estava com catarata no olho direito, cistos e  descolamento de retina. Já no olho esquerdo, ele tinha 12 graus de miopia, ou seja, ele só tinha 5% de visão e sua retina esquerda poderia vir a descolar pelo alto grau de miopia”, conta Veronice.

Em 2015, seus temores foram confirmados. “Percebemos que o Luís Felipe batia muito nas coisas quando se locomovia, então, procuramos o médico novamente e constatamos o descolamento da retina esquerda. No mesmo ano ele passou por uma cirurgia para tentar colar a retina, mas o resultado foi negativo e hoje ele tem cegueira total”, explica. 

A falta de visão não tirou o brilho e a motivação do jovem atleta, que estuda pela manhã, treina futebol e funcional duas vezes por semana e passa pelo atendimento no CRV semanalmente desde 2019, onde aprende braile, mobilidade e passa pelo terapeuta.  “O CRV contribui imensamente para a sua independência. Sabemos que, desta forma, ela estará apto para ir longe, mesmo com suas limitações”, afirma Veronice.

Para os jogos, Luís Felipe está otimista. Ele espera que seu desempenho seja muito bom e que consiga ganhar a medalha. “Mas se eu não conseguir, não vou abaixar a cabeça. Vou continuar tentando. Nas Paralimpíadas, temos a vitória e a derrota. Se nós ganharmos, vamos ficar felizes, claro. Mas, se perdemos, a gente fica triste na hora, mas nunca vamos desistir dos nossos sonhos. Sempre fique com a cabeça erguida, na vida não é só ganhar”, ensina o atleta. 

Sobre o CRV

Criado em fevereiro de 2013, o Centro de Reabilitação Vida Nova (CRV) nasceu com o objetivo de reintegrar pessoas com necessidades especiais à vida familiar e social, promovendo uma melhor qualidade de vida aos assistidos e a reabilitação para deficientes visuais com baixa visão, cegueira e pessoas com deficiência auditiva para suas atividades diárias. No CRV, o assistido pode usufruir do serviço de convivência para fortalecimento de vínculos, sempre priorizando a abordagem social e a integração com a família. 

Desta forma, o CRV fornece atendimento gratuito, sem custo algum, em reabilitação visual através de uma equipe multiprofissional nas áreas social, de saúde e de educação. 

A atuação do CRV compreende:

– Habilitar, reabilitar e integrar os deficientes visuais nas atividades diárias; 

– Promover a autonomia pessoal;

– Melhorar a qualidade das atividades da vida diária;

– Propiciar adaptação profissional, escolar e social;

– Auxiliar na utilização de recursos específicos para deficiência;

– Esclarecer e orientar a família quanto à deficiência.

O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emília. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000.

 

Fellow do segundo ano do Hospital Oftalmológico de Sorocaba recebe prêmio SBRV por melhor caso clínico apresentado

 

Caso apresentado por Marja Carolina Rufino dos Santos, que levou o primeiro lugar na 2ª edição do concurso, abordou doença da retina e COVID-19.

 

No dia 03 de novembro aconteceu a final do 2º Concurso Nacional de Casos Clínicos e Cirúrgicos da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV), uma das mais renomadas do Brasil, fundada em 1977 e que tem como objetivo consolidar e difundir ensinamentos científicos. “A ideia do prêmio, criado em 2020, é justamente fomentar a produção científica e engajar os fellows no mundo acadêmico”, conta a idealizadora e coordenadora do concurso SBRV, Tereza Kanadani.

Neste ano, cerca de 90 fellows (médicos que já fizeram residência em sua especialização e que estão se aperfeiçoando em uma subespecialidade) de todo o País se inscreveram neste concurso, representando várias instituições, para concorrer às categorias: “Melhor Caso Clínico” e “Melhor Caso Cirúrgico”. 

A vencedora da categoria “Melhor Caso Clínico” foi a fellow do segundo ano de Retina do Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS-BOS), Marja Carolina Rufino dos Santos, que apresentou o caso “Síndrome dos Múltiplos Pontos Brancos Evanescentes Como Manifestação Ocular Inicial Presumida em Paciente com Covid-19” sob orientação do Dr. Arnaldo Bordon, Chefe do Departamento de Retina e Vítreo do BOS, junto com os fellows colaboradores Arthur Sousa Dias, Hideki Hirota, Jean Coutinho, Moisés Gomes, Patrícia Bortolai, Renata Júlia Moura e Vinicius Clementino Falcão. 

“É uma honra para nós do BOS poder participar desse tipo de concurso, pois ele estimula os médicos em formação e em especialização em retina a terem uma visão científica e de produção científica, além de demonstrar a qualidade do nosso corpo clínico e da instituição como um todo”, orgulha-se o orientador do caso vencedor, Dr. Arnaldo F. Bordon.

“Todos os fellows que participaram do concurso apresentaram casos muito interessantes, inovadores e bem documentados. Desta forma, me senti muito honrada com a premiação. Esse prêmio é um reconhecimento da importância que o BOS possui pela pesquisa científica e o aprendizado acadêmico”, completa Marja Rufino, que ganhou a inscrição para o 46º Congresso SBRV ,em 2022, como premiação pelo primeiro lugar.

 

O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emília. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000.

BOS-Hospital Oftalmológico de Sorocaba inaugura Departamento de Olho Seco

  • André Jerez Rezala, médico oftalmologista do Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) – Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS), fala sobre a doença, que teve aumento dos casos nos últimos anos, e quais as vantagens do novo centro especializado.

Caracterizada por ser uma doença multifatorial, a Síndrome do Olho Seco é gerada por diversas alterações oftalmológicas, ambientais e sistêmicas, que provocam alterações na composição ou produção das lágrimas, prejudicando, assim, a qualidade da superfície ocular. Essa condição, que é alvo de estudos pela oftalmologia, vem apresentando uma incidência e prevalência cada vez maior na sociedade.

Os sintomas da patologia em questão podem variar de acordo com o quadro clínico de cada paciente. “Existem pessoas quem tem uma deficiência na camada aquosa da lágrima, pessoas que têm o filme lacrimal descompensado e aquelas que têm o que chamamos de olho misto, onde há a alteração da qualidade e quantidade da lágrima. Os sintomas são variáveis. As alterações de superfície podem ser encontradas desde pacientes assintomáticos até casos muito graves. Em geral, conforme temos uma piora da superfície ocular, tende-se a observar maiores queixas pelos pacientes. Os sintomas, em geral são desconforto, irritação e fotofobia, até quadros mais agudos, com dor severa, dificuldade em abrir os olhos e limitação funcional pelo quadro” explica Dr. André Jerez Rezala, médico oftalmologista do Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) – Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS).

Com o maior número de estudos e pesquisas, a Síndrome do Olho Seco passou a ter um papel cada vez mais relevante no consultório médico e no meio acadêmico. Um dos principais motivos para o aumento da atuação na área está relacionado ao crescente número de pacientes sintomáticos, e de diagnósticos feitos durante o exame oftalmológico. “Alguns estudos falam de uma prevalência de 60 a 70% de sintomas de olho seco na população estudada. Os motivos disso estão ligados ao envelhecimento da população, mudanças dos hábitos de vida, tanto alimentares, como pessoais e profissionais, maior uso de telas, poluição e outros fatores diversos”, comenta o especialista.

Diante desse cenário, o BOS-HOS investiu em uma estrutura nova e especializada, como forma de amparar, ainda mais, seus pacientes, com o que há de mais novo e avançado no mercado, garantindo os melhores e mais eficazes tratamentos. Com isso, o novo Departamento de Olho Seco foi criado para avaliação, diagnóstico e tratamento dos pacientes, processos que serão realizados por médicos oftalmologistas especialistas.

Dentro da instituição, o tratamento será individualizado. Em geral inicia-se clinicamente e, de acordo com a evolução ou necessidade, acrescentam-se outros dispositivos terapêuticos. “O tratamento dependerá da causa e do quadro clínico do paciente. Quando falamos de tratamento clínico, apresentamos uma gama de diferentes medicamentos relacionados a cada condição. Se necessário podemos utilizar outros recursos como: medicamentos sistêmicos, cirurgias, lentes de contato esclerais e luz intensa pulsada (IPL)” pontua.

Entre os tratamentos cirúrgicos realizados na instituição, destacam-se: a oclusão de ponto lacrimal, cirurgias de correção palpebral e transplante de mucosa salivar. Já, relacionados a lentes de contato, as lentes esclerais apresentam potencial terapêutico e também funcional, ajudando no reestabelecimento visual dos pacientes.

Como última novidade no arsenal terapêutico, a luz intensa pulsada vem apresentando excelentes resultados, nos casos indicados. Além do modulo relacionado ao olho seco, este aparelho também realizará tratamentos dermatológicos ligados à rosácea, alterações pigmentares e estéticas na face.

Outro diferencial do novo centro é o atendimento multidisciplinar em conjunto com um reumatologista, o qual fará a avaliação de pacientes com olho seco secundário a doenças sistêmicas, como artrite reumatoide, Lúpus e Síndrome de Sjogren.

Todos os pacientes passarão por uma triagem de atendimento e, caso o diagnóstico seja positivo, serão avaliados para dar início ao tratamento mais indicado. “Criamos esse departamento, justamente para dar ao nosso paciente o melhor acesso, tanto ao diagnóstico, como ao tratamento: do clínico ao cirúrgico. Esse novo espaço possibilita também que sejamos uma referência no auxílio dos pacientes e, até mesmo, de outros colegas oftalmologistas, oferecendo sempre o melhor tratamento, com a qualidade garantida pelo BOS-HOS, ao longo de todos esses anos de atuação”, finaliza Dr. André.

Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.bos.org.br ou pelo telefone: (15) 3212-7000. O Banco de Olhos de Sorocaba (BOS) e o Hospital Oftalmológico de Sorocaba (HOS) ficam localizados na Rua Nabek Shiroma, 210, no Jardim Emilia.